Página inicial > Membros > Acadêmicos > Anibal Eugenio Vercesi


Anibal Eugenio Vercesi (VERCESI, A. E.)

Ciências Biológicas
Membro Titular
Ingresso em 5 de mar de 1997
Currículo
Link para a plataforma Lattes
E-mail

Ingressou na carreira científica, em 1969, como aluno de Iniciação Científica, no Departamento de Bioquímica da Universidade Estadual de Campinas, sob orientação do Professor Aldo Focesi Jr. Após sua graduação em Medicina continuou suas pesquisas sob a orientação do Professor Focesi e doutorou-se em 1974. Em 1976, iniciou estudos sobre bioenergética mitocondrial e homeostase intracelular de cálcio, durante estágio de pós-doutorado no laboratório do Professor Albert L. Lehninger, na Johns Hopkins University, USA. Durante este estágio fez a observação original de que a liberação de Ca2+ mitocondrial é estimulada pelo estado oxidado dos nucleotídeos de piridina mitocondriais. Continuou estes estudos no Brasil no sentido de entender tanto o mecanismo molecular quanto o significado biológico deste processo. Os resultados mais recentes indicam fortemente que a presença de Ca2+ e prooxidantes ou fosfato inorgânico induz a abertura de poros inespecíficos na membrana mitocondrial interna devido a oxidação de proteinas e lipídios. Demonstrou que enquanto os prooxidantes eliminam as defesas antioxidantes da mitocondria o Ca2+ estimula a produção de espécies reativas de oxigênio que passam a atacar proteínas, lipídios a DNA mitocondriais. Propôs que estes tipos de alterações mitocondriais são eventos importantes na patogênese de morte celular em várias condições patológicas que geram estresse oxidativo, como acontece durante processos de isquemia e reperfusão, por exemplo.
Os estudos com mitocôndrias e células de mamíferos forneceram importantes subsídios para estudos que vem realizando com plantas e protozoários em colaboração com pesquisadores brasileiros e do exterior.
Os estudos com plantas resultaram na descoberta de uma proteina com função termogênica que funciona como um canal aniônico, permitindo a dissipação do potencial eletroquímico de H+, gerado pela respiração, sob a forma de calor. Uma proteína desacopladora análoga era considerada como uma aquisição evolutiva exclusiva de mitocôndrias de tecido adiposo marrom.
Os trabalhos com tripanossomatídeos possibilitaram a caracterização de uma série de propriedades bioenergéticas da mitocôndria e da homeostase de cálcio em vários destes parasitas. Detectou e caracterizou nestas células a existência de vacúolos ácidos que possuem H+ e Ca2+-ATPases. O gradiente de pH através desta membrana é responsável pela retenção de altas concentrações de Ca2+ no interior dos vacúolos. Um trocador Ca2+/2H+ promove o efluxo do cátion e tem sua atividade facilitada pela alcalinização do vacúolo por um trocador Na+/H+ operando em sentido inverso. Resultados recentes indicam que o funcionamento deste sistema de transporte de Ca2+ está diretamente relacionado com a capacidade infectiva destes parasitas.




webTexto é um sistema online da Calepino